| O QUE É | Hotel Inn

| ONDE É | Alfama, Castelo de S. Jorge (Rua das Cozinhas 2)

| QUANTO É | Entre 120EUR – 400EUR/ noite

| ONDE COMER | O Velho Eurico; Zé dos Cornos; The Food Temple (vegetariano); Chapitô (para petiscar); 28 café;

| O QUE FAZER | Passear a pé pelo bairro alfamista; visitar o Castelo de S. Jorge; Ir a uma casa de fados; Ir ao Chapitô; miradouro de Santa Luzia e Portas do Sol

| CONTACTOS | Tel.+351 218 806 050; e-mail: reservations@heritage.pt; website: http://www.solardocastelo.com

 

 

“Cada detalhe é pensado para ser um capítulo deste romance que é Lisboa. Daqui se parte para abraçar a cidade.”

 

 

As graúdas precisavam de férias; aliás, sem desculpar a vontade com alguma necessidade: A dupla mais crescida do Gang, queria, e exigia, uma noite de folga.

Somos alfacinhas da cabeça aos pés. Mesmo que, muitas vezes descalços, também se sabem vestir de ténis para palmilhar a calçada lisboeta.

 

 

 

Nesta nossa capital há sempre “ainda muito” por descobrir. Nunca cansa, e sempre se descansa, por isso, lá fomos: Duas meninas singelas, de mochila alçada às costas e necessaire  de pega na mão, rua fora e bairro acima.

Alfama não exige descrição, a história que conta, fala sobre si. É a nossa zona, por escolha ou eleição. Assim sendo, e sem que o lugar para o carro fosse impedimento ao nosso estacionamento, armámo-nos em princesas, ou a brincar a bricar, em Rainhas, e subimos ao castelo, para pernoitar abrigadas na proteção das suas muralhas.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Ficámos no Solar do Castelo, um palacete onde a tradição e modernidade se unem numa aliança marcada pelo ambiente intimista, já para não falar da localização, que mora no epicentro da história portuguesa: um edifício que, apesar de ali permanecer há uns bons séculos, transporta quem por lá se aventura, numa viagem a outros tempos.

 

É um lugar de lendas e almas de príncipes, vindas do século XVIII, com as paredes erguidas no lugar das antigas cozinhas do Paço das Alcáçovas, arrasadas durante o terramoto que devastou Lisboa em 1755.

A cisterna foi preservada e o conjunto museológico de objectos encontrados durante a renovação dão conta de mais de oito séculos de História.

 

 

A decoração realça o carácter contemporâneo da revitalização do espaço, ao mesmo tempo que sublinha as origens medievais. Este palacete tem uma ecléctica traça onde predomina a inspiração pombalina: Os azulejos decoram a casa dentro e fora. Painéis dão conta da vivência das gentes em épocas antigas.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Quando a tarde dourada cai, apetece descer dos quartos e assomar ao pátio: Ouve-se o rumorejar da água na fonte e apetece sussurrar a conversa para melhor escutar a melodia dos pássaros. A sombra dos limoeiros oferece o desejado oásis. Nas cestas vidradas que enfeitam o jardim o amarelo dos frutos anuncia o estio.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O Solar Do Castelo faz parte da geografia do romance, e nele as paixões vivem-se em Lisboa. É um ponto de partida ideal para descobrir a capital portuguesa, onde carácter e história se unem, em narrativas decorativas que só poderiam ter lugar à beira do Tejo.

Cada detalhe é pensado, para ser um capítulo deste romance que é Lisboa. Daqui se parte para abraçar a cidade. 

 

 

VER MAIS: http://www.heritage.pt/en/solar-do-castelo/hotel

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *