| BIO |

Marta, 24 anos. Licenciada em Comunicação Social. Sonhadora, Teimosa,  Alegre, Sincera, Desenrascada, Divertida e há quem a chame de “Maluca”. Sras e Srs, Marta Durán!

“Acho que a minha missão são as pessoas (…) o que me faz ser apaixonada pelo mundo e pelas suas gentes. É por elas que viajo (…)”

Marta Geadas Durán

| QUEM ÉS TU? |

Sou a Marta, mais conhecida por “Marta das Boleias”. Carrego em mim muitas aventuras que começaram com os meus meros 18 anos, quando embarquei num projeto de voluntariado para Moçambique no verão de 2014, projeto que continuou no ano seguinte, durante a minha licenciatura em Comunicação Social. Aqui, o fascínio pelo desconhecido e a sede de viajar, começaram a traçar o meu caminho.

Durante os meus estudos, fui passar um semestre a Macau que foi o ponto de partida para uma aventura pelo Sudeste Asiático e a China. Aqui, a curiosidade pelo mundo estava apenas a começar…

 Determinada a crescer enquanto viajante, em 2016, percorri 11 países da Europa, sozinha e à boleia. O regresso de cada aventura, passou a ser sempre o prólogo para a seguinte.

Mais tarde, parti para o Nepal, onde estive a dar aulas de português durante cinco meses, e, de seguida, atirei-me para a Índia durante três meses. Depois, rumei para a Guiné-Bissau com o propósito de trabalhar com crianças. O que começou como uma ação de voluntariado de curta duração, terminou com nove meses de trabalho no departamento de comunicação da UNICEF.

No ano passado, voltei a sentir o apelo pela ex-colónia portuguesa, e fui numa jornada de bicicleta desde minha casa, em Carnaxide, até à Guiné-Bissau, com paragens por Marrocos, Mauritânia e Senegal.

Para além de alimentar as minhas aventuras no meu blog e Instagram, este ano vou liderar viagens para o Senegal e Guiné-Bissau juntamente com a agência NOMAD.

Sou tudo isto e muito mais.

| QUEM É O TEU GANG? |

O meu gang passa por aqueles que me são próximos, e tenho vários gangs! (Senti-me uma gangster a escrever isto).

O primeiro é claramente a minha mãe e a minha irmã, a maior razão por eu regressar a casa, quando estamos as 3 juntas é prometido muita risada, parvoíce e obviamente as discussões saudáveis!

O outro gang posso chamar o gang dos viajantes, vemo-nos apenas quando os astros se cruzam e estamos todos no mesmo país, não deixamos de ser inseparáveis e com uma grande paixão em comum a viagem.

Todos os meus Gangs são feitos de Amor, que para mim é o que está na base de tudo; a razão pela qual viajo.

| ES PÉ DESCALÇO OU PÉ CALÇADO? |

Totalmente um “pé descalço”, quer em casa (desde miúda que oiço a toda a a hora: “-Marta vai calçar umas meias!”), quer na rua, quando quero sentir a palma do pé viva. O pé descalço, para mim, simboliza muito mais do que a liberdade… É a metáfora que mostra como um membro aparentemente frágil pode ser calejado, se for treinado desde cedo.

Lembro-me de quando parti pela primeira vez para o continente Africano (2014), em direção a Moçambique, e vi miúdos descalços a caminharem vários quilómetros, a jogarem à bola, e a trabalharem como se tivessem botas de aço nos pés… Foi em parte com eles, que aprendi a ganhar o gosto por um bom par de pés sujos.

| O QUE TE FAZ TREMER DOS PÉS À CABEÇA? |

O tempo. A incerteza do tempo, o não dar valor enquanto dura, até já ser tarde de mais para isso.

| O QUE TE FAZ SALTAR A PÉS JUNTOS? |

Algo que nunca tenha feito, aquela aventura que me digam ser “impossível”, uma palavra que me faz muita comichão. Por isso, é para lá que salto a pés juntos: Para o impossível.

Além disso, a minha mãe e irmã: São as pessoas mais importantes da minha vida e pelas quais regresso a Portugal. Só quero que sejam imensamente felizes como eu, e acima de tudo, que continuemos fortes e unidas, como fomos até agora.

| QUAL FOI O CHÃO MAIS ESPECIAL QUE JÁ PISASTE? |

 Com as viagens já me apercebi que gosto é de andar nos pontos mais altos a conquistar cumes e desafios.

É tão difícil de escolher um sítio no Mundo… Sonho sempre voltar onde já fui feliz, daí a não ser uma colecionadora de países, mas sim de experiências e pessoas. Quero muito voltar ao Nepal, onde vivi 5 meses; à India, um sítio em que a cada dia há uma nova aventura; e ao meu país de eleição: a Guiné-Bissau,  pelo facto de ter as pessoas mais amáveis e uma cultura que não tem fim. Felizmente o meu futuro trabalho vai-me permitir regressar lá várias vezes.

No que toca a Portugal, a escolha também não é fácil, mas sou suspeita de ser uma apaixonada pelo nosso Alentejo. A minha mãe é de Estremoz e é dos meus cantinhos preferidos.

| ONDE SONHAS METER O PÉ?|

Onde nunca o meti. Um sonho que me faz vibrar, é o de apanhar boleia de um veleiro e cruzar o oceano atlântico. Diria que meter o pé a bordo de um veleiro é “O Sonho”, que tenho neste momento.

| QUAL FOI O TEU MAIOR PASSO? |

Dizer que não à pressão que a sociedade incute em nós para seguirmos o percurso previsível, feito em linha reta: Acabar o Secundário, ir para a Universidade, arranjar um Trabalho, comprar casa, casar, ter filhos e um cão, etc…

O meu maior passo, arranjar coragem para traçar a minha própria linha, com altos e baixos claro, mas que me faz ser feliz à minha maneira: A viajar e a levar os outros a viajarem comigo.

| QUE SONHOS TE TIRAM OS PÉS DO CHÃO ? |

Aqueles que acho impossíveis de realizar; que mal me deixam dormir só de pensar neles e que me fazem borboletas no estômago, quando os estou prestes a realizar. O mais recente foi o de apanhar boleia do maior comboio do mundo, na Mauritânia; um comboio com uma extensão de 2 km, que faz um percurso de 700 km pelo deserto do Sahara para fazer o transporte de ferro desde a mina até à costa, ou vice-versa.

| QUAL É A TUA PEGADA? |

Em parte, tudo o que escrevo nas redes sociais e no meu blog, tem como objetivo deixar marcada a minha pegada, ao criar impacto em quem me lê. É aqui que consigo inspirar, consciencializar, e partilhar as minhas aventuras. Partilho o que vivo, porque quero ajudar as pessoas a serem felizes por seguirem os seus próprios sonhos.

Em resumo, acho que a minha missão são as pessoas. Sou uma pessoa de pessoas, o que me faz ser apaixonada pelo mundo e pelas suas gentes. É por elas que viajo: quero descobrir e conhecer pessoas novas, com diferentes ideais, culturas, e religiões.

| O QUE LEVAS NA MALA? |

Além de uma mala preenchida de sonhos, medos, desejos e uma vontade incontrolável de explorar, levo o essencial: Uma mochila de 60litros, com saco de cama, uma tenda, 7 pares de meias e cuecas (que vou perdendo), umas quantas t-shirts, calças, um casaco, sapatos e chinelos. Não dispenso a máquina fotográfica, o telemóvel e o computador. Cada viagem é uma viagem; há ferramentas que posso precisar numas e noutras não.

| O QUE TRAZES DE REGRESSO? |

Pessoas e experiências: São a razão que me leva aonde vou.

VER MAIS:

Instagram: https://www.instagram.com/boleiasdamarta/

Blog: linktr.ee/boleiasdamarta

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.