“Sempre que tenho a oportunidade de criar algo (…) atiro-me de cabeça.”

 

 

| BIO |

Tem 23 anos, e já se fez mais à vida do que muita gente graúda se pode gabar.

Aos 19, estudava gestão na Universidade NOVA, mas cedo percebeu não ser ali o seu lugar. Acabou por desistir do curso, pediu dinheiro emprestado à avó e fundou a sua prórpria empresa: A Sonder People – uma agência que tem como missão “invadir” o meio da publicidade com pessoas reais, que inspirem os outros, não a ser iguais a elas, mas sim, a melhor versão deles mesmos.

A sede da empresa, hoje situada no LxFactory em Lisboa, começou num escritório improvisado no seu quarto. Depois de 9 meses a dormir na sala, Fred viu o seu negócio crescer rumo à liderança de mercado. Três anos depois, a agência conta com trabalhos feitos em mais de 30 países, em colaboração com marcas como a Coca-Cola, Dove e H&M, tendo expandido para o Porto e Barcelona.

Fred acredita profundamente na individualidade de cada um, e, através de palestras, conferências e formações, inspira o seu público a tirar o máximo partido da própria vida, e, com os pés assentes algures na estratosfera, faz pontaria à lua porque sabe que, assim, tem uma grande hipótese de vir a aterrar nas estrelas.

 

 

| QUEM É O FRED? |

É um apaixonado que quer que todas as pessoas vivam a vida com a maior entusiamo possível e que não se deixem conformar pelos limites impostos.

 

| QUEM É O TEU GANG? |

São as pessoas que eu considero família: os meus amigos, a minha team, as pessoas de quem eu mais gosto. Acima de tudo é quem me faz feliz, e a quem eu quero, ao máximo, ajudar.

 

| DE QUE MATÉRIA É FEITO? |

De bons corações. Acima de tudo, de gente boa.

 

 

 

| ÉS PÉ DESCALCO OU PÉ CALÇADO? |

Pé descalço! Ponham-me na selva! Mas isto, metaforicamente falando, porque, para dizer a verdade, detesto andar descalço… tenho imensa sensibilidade nos pés! Quando vou surfar com os meus amigos, é uma tortura andar do carro até à areia, porque se tem de travessar o alcatrão. Sofro horrores, enquanto eles andam tranquilamente, como se nada fosse. O único sítio onde ando descalço é em casa.

 

| O QUE É QUE TE FAZ TREMER DOS PÉS À CABEÇA? |

Sentir que não estou a aproveitar o meu tempo da melhor forma.

 

| O QUE É QUE TE FAZ SALTAR A PÉS JUNTOS? |

Ver a oportunidade de criar alguma coisa: Uma empresa, um movimento, uma obra, etc… Sempre que tenho a oportunidade de criar algo, especialmente se estiver dentro dos meus ideais, não penso duas vezes e atiro-me de cabeça.

 

 

| QUAL FOI O TEU MAIOR PASSO? |

Foram dois: O primeiro foi criar a Sonder. Na altura, foi um grande desafio. Estava na faculdade, a começar a licenciatura em gestão e não estava a gostar do curso. Vi que havia uma oportunidade no mercado da publicidade: As marcas queriam pessoas autênticas para comunicarem com a sua audiência, e as agências de modelos não tinham este tipo de oferta disponível. Saí do curso e desviei-me do caminho mais seguro, para seguir um rumo altamente imprevisível, mas que me trouxe um prazer enorme.

O segundo, foi ter-me declarado à minha namorada. Na altura, não estava muito realizado com a minha vida, apesar de, profissionalmente estar tudo a correr bem, sentia que me faltava alguma coisa. Por isso, fui para a Ásia. Viajei durante dois meses, à procura da minha resposta, de me encontrar. Uma das coisas que pensei foi “Quero ter uma namorada.”. Sentia que tinha muito amor para dar e queria ter alguém com quem partilhar a minha vida. Quando voltei, ela estava na Sonder, a trabalhar para mim. Nem sequer tinha sido eu a contratá-la. Comecei a sentir um interesse por ela, mas tentei lutar contra o meu impulso de fazer alguma coisa em relação a isso. Mais tarde, tivemos um fim de semana de equipa, e aí, apaixonei-me  completamente. Depois veio a decisão difícil: Por um lado, a minha ética profissional dizia que era errado ter uma relação com uma colega de trabalho; por outro lado, a paixão estava a crescer. Tomei uma decisão que, para mim, foi 100 vezes mais difícil do que montar a Sonder:  Fui falar com ela. O resto, é uma longa história, mas resumindo: valeu a pena. Ela disse que sim!

 

 

| QUAL FOI O CHÃO MAIS ESPECIAL QUE JÁ PISASTE? |

Acabei de vir da Africa do Sul e é um dos países mais espetaculares em que já estive (Se não o mais espetacular). É um chão brutal!

Laos é outro país incrível… Um sítio mesmo mágico. Tive uma experiência muito especial, numa casa na árvore a 100 metros do chão, no meio da selva, com 10 pessoas que não conhecia, mais uns quantos amigos. Estava a chover torrencialmente, e nós andámos pelo meio das árvores a fazer slide. Num todo, foi uma viagem que me mudou completamente: Fez-me ver mais beleza nas coisas, na natureza, e perceber que não precisamos de muita coisa para nos sentirmos realizados. Aprendi que podemos ser felizes mesmo sem ter quase nada.

 

 

| ONDE SONHAS METER O PÉ? |

Num grande palco, a dar uma palestra, uma talk, uma formação, etc… A transmitir uma mensagem que, de alguma forma, acenda uma chama dentro das pessoas e as influencie.

Não sei bem porquê, mas também tenho um grande fascínio pelo Salar do Uyuni (Bolívia)… É mágico só de olhar; um reflexo perfeito. Alguém me disse que fez o salar em ácidos e que viu o salar todo às cores e eu fiquei tipo: UAU!

 

 

| QUAL É A TUA PEGADA? |

Poder provar que, de facto, é possível e está ao alcance de qualquer um, ter uma vida extraordinária e magnifica.

Ajudar a criar um mundo onde as pessoas se sintam confiantes para viver a vida segundo as próprias regras. Um sítio onde a diferença de cada um, enquanto ser humano,  é reconhecida e respeitada.

 

| QUE SONHO TE TIRA OS PÉS DO CHÃO? |

Gostava muito de criar um movimento a nível mundial, que tivesse como base uma ideologia human-first, assente em reconhecer que todas as pessoas têm um propósito único, que deve ser respeitado e encorajado.

Existem várias pessoas com as quais me identifico, como por exemplo, Richard Branson, Tony Robbins, Brené Brown, Simon Sinek, etc… Todos estes líderes têm convicções muito fortes e criaram movimentos com a capacidade de transformar pessoas. O objetivo máximo é compartilhar valores e lutar por uma causa.

Gostava muito que a minha vida fosse focada nesse sentido. Acredito que nasci com uma missão especial. Também acredito que há uma grande possibilidade de isso ser mentira, mas é uma mentira em que escolho acreditar.

 

| PARA ONDE É QUE CAMINHAS? |

Eu não caminho, eu corro! Corro para criar esse movimento e ser parte dele; corro para acrescentar valor ao Mundo!

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *