| Onde fica | Costa Vicentina
| Percurso | Lisboa – Vila Nova de 1000 Fontes | Saída Sexta hora de almoço regresso Domingo final do dia
| O que é | Roadtrip de autocaravana pela costa
| O que fazer | Visitar praias, percorrer trilhos, adormecer debaixo das estrelas
| O que levar | Fatos-de-banho, protetor solar, repelente, refeições simples, pouca roupa, “toalhitas”, sacos do lixo

“Uma ciganinha feliz com a melhor amiga por companhia”

 

Tudo começou com um sonho da Camila aos 6 anos.
E a verdade é que, muitas vezes, é assim que começam as melhores coisas da vida.

Tudo o que ela queria de presente era passar o aniversário numa auto-caravana em direcção a Sul, litoral abaixo.
Uma “ciganinha” feliz com a melhor amiga por companhia, a minha irmã mais velha ao volante e uma costa inteira à nossa espera.

Não sou especialista em aluguer de caravanas, mas, depois de ter pesquisando muito, percebi que é um aluguer relativamente caro, e que não se pode alugar qualquer uma, porque há legislação própria que obriga a parquear a autocaravana em lugares destinados (o que aplaudimos) mas que impede aquele free spirit de acordar com os pés em cima de todas as ribanceiras.

Existem várias opções no mercado, com cada vez mais empresas a operar, para todos os gostos e excentricidades: Desde o modelo clássico, à pão de forma, às carrinhas mais simples. Por isso, tendo um budget reduzido, e não querendo nada muito vintage  que obrigasse a tirar vários dias só para chegar ao destino, optámos por uma caravana descaracterizada da Indiecampers para 4 pessoas, com uma cama em cima e outra em baixo, sem WC (o que lamentámos logo a seguir). A vantagem da descaracterização é que podemos estaciona-la como um carro normal, em qualquer sítio.

Este tipo de caravanas são espaçosas, mas não dá para raves. O espaço está todo pensado, e é preciso garantir que se leva apenas o essencial. “Só mais uns patins em linha” e pode estragar tudo. Mas dá para levar leite, cereais e já vêm com um pack de talheres, tachos e copos para safar. Aconselho a levarem abre garrafas, para quem gosta de trabalhar a “auto-suficiência”, sem praticar o desapego total das coisas que nos fazem felizes. A única desvantagem, para além do tamanho, é não ficarem bem na fotografia (Ah, pensamento fútil), mas a verdade é que estes “carros-casa” representam um espírito, um modo de vida, e, bem vistas as coisas, uma foto ao lado de uma “Ford Transit” não tem o mesmo charme do branco sujo da típica auto-caravana.

A caravana vem equipada com lençóis e edredões quentinhos, só passa frio quem quer.  Sugiro que estacionem perto de um restaurante de praia que permita safar uma refeição à outra e utilizar a casa de banho com alguma dignidade. O resto é mesmo para ser diferente, se quiséssemos mais conforto e menos aventura, estávamos num turismo rural.

Era Outubro mas ainda estava quente e o pôr do sol das marés vivas é um estrondo. Dormimos debaixo das estrelas, acordámos na praia, improvisámos uma carbonara no camping gás, sorvemos a madrugada e celebrámos tudo: Os teus anos, os teus sonhos, os meus, os nossos e a Vida inteira.

Sempre que nos apetecia mudar de praia ia tudo lá para dentro e pé no volante até ao próximo destino. Fomos apenas duas noites, a “escapadinha” tradicional do fim-de-semana, mas vamos voltar para mais. Decidimos ir para Sul mas podíamos ter ido para Norte, o destino é a sorte. A vantagem de ser portátil é que tudo se torna mais ágil.

Não posso deixar de agradecer à querida Cristina do “Pão, Café & Companhia” em Vila Nova de 1000 Fontes, que nos preparou um pique-nique de sonho à beira mar e fez a minha miúda acreditar em unicórnios.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Obrigatório por o Pé:

  Levar Gomas e pipocas para ver as estrelas com as portas de trás abertas e o rabinho na cama
  Preparar duas refeições no Camping gás, montar mesa nas dunas e comer à Lord em cima do mar.
  Deixar a conversa fluir entre vizinhos de Autocaravanas, uma comunidade de gente deliciosamente desapegada e quase sempre simpática
  Sofisticando: Praia da Vieirinha e ir comer umas amêijoas à Pedra da Casca (Porto Côvo)
  Jantar na Tasca do Celso em 1000 Fontes e ir fazer a digestão para o carro (entenda-se o nosso  luxuoso T1)

Avaliação

Impacto Emocional

12345

Impacto Cultural

12345

Dimensão Familiar

12345

Paisagens do Caraças

12345

Comer de Chorar por Mais

12345

E Isto Custa

12345

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *